30 de mar de 2009

A brisa da existência

Paisagem de Cedro - CE, do álbum de Edson Reis
Há anos e anos, o poeta
e debruça em seu ofício
de servir ao mundo.

Não é leve o fardo.
Bem sabe, porém,
dos prazeres que há
em cerzir palavras no vento.

Um dia – justiça seja feita –
lhe darão o prêmio maior
e a civilização se curvará
ao brandir de suas linhas.

Se tal sorte não alcançar,
bastará que lhe digam:
és o poeta de teu país.

Já poderá morrer.
Mas se nem isto lhe for dado
gozar, que lhe deem o título,
fugaz, de grande poeta.

Não seja isto, porém, razão
de morrer ou viver.
Por que buscar mais
do que ser, simplesmente,
o poeta de sua cidade?!

De nem tanto precisa.
Se alguém, com quem cruzar,
lhe gritar ao ouvido:
oh, você, o meu poeta,

já terá valido a pena
haver-se dado à sina
de ouvir dentro de si
a brisa da existência.


Alcides Buss

Um comentário:

  1. Hi, it's a very great blog!
    I could tell how much time you've taken on it.
    Keep doing!

    ResponderExcluir