23 de nov de 2012

MIGUEL TORGA






Devo à paisagem as poucas alegrias que tive no mundo.
Os homens só me deram tristezas. Ou eu nunca os 
entendi, ou eles nunca se entenderam. (...) A terra, 
com os seus vestidos e as suas pregas, essa foi sempre
generosa. (...) Vivo a natureza integrado nela, de 
tal modo que chego a sentir-me, em certas ocasiões,
pedra, orvalho, flor ou nevoeiro. Nenhum outro 
espectáculo me dá semelhante plenitude e cria no
meu espírito um sentido tão acabado do perfeito 
e do eterno...
 
Miguel Torga, in Diário II
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário