3 de abr de 2009

Almeida Garrett



João Batista da Silva Leitão de Almeida, nome completo do escritor, nasceu no Porto em 1799 e faleceu em Lisboa em 1854.

O apelido irlandês está na genealogia da família: Garrett é o nome da sua avó paterna, que veio para Portugal no séquito de uma princesa.

Na adolescência foi viver para os Açores, em Angra do Heroísmo, quando as tropas francesas de Napoleão Bonaparte invadiram Portugal e onde era instruído pelo tio, D. Alexandre, bispo de Angra. Em 1816 seguiu para Coimbra, onde se matriculou no curso de Direito. Em 1821 publicou O Retrato de Vênus, trabalho que lhe custou um processo por ser considerado materialista, ateu e imoral.E neste mesmo ano que ele e sua família passam a usar o apelido de Almeida Garrett.

Participou da revolução liberal de 1820, seguindo para o exílio na Inglaterra em 1823, após a Vilafrancada. Antes havia casado com Luísa Midosi, de apenas 14 anos. Foi em Inglaterra que tomou contacto com o movimento romântico, descobrindo Shakespeare, Walter Scott e outros autores e visitando castelos feudais e ruínas de igrejas e abadias góticas, vivências que se refletiriam na sua obra posterior. Em 1824, seguiu para França, onde escreveu Camões (1825) e Dona Branca (1826), poemas geralmente considerados como as primeiras obras da literatura romântica em Portugal. Em 1826 foi anistiado e regressou à pátria com os últimos emigrados dedicando-se ao jornalismo, fundando e dirigindo o jornal diário O Português (1826-1827) e o semanário O Cronista (1827). Teria de deixar Portugal novamente em 1828, com o regresso do Rei absolutista D. Miguel. Ainda nesse ano perdeu a filha recém-nascida. Novamente em Inglaterra, publica Adozinda (1828) e Catão (1828).

Juntamente com Alexandre Herculano e Joaquim António de Aguiar, tomou parte no Desembarque do Mindelo e no Cerco do Porto em 1832 e 1833.

A vitória do Liberalismo permitiu-lhe instalar-se novamente em Portugal, após curta estadia em Bruxelas como cônsul-geral e encarregado de negócios, onde lê Schiller, Goethe e Herder. Em Portugal exerceu cargos políticos, distinguindo-se nos anos 30 e 40 como um dos maiores oradores nacionais. Foram de sua iniciativa a criação do Conservatório de Arte Dramática, da Inspecção-Geral dos Teatros, do Panteão Nacional e do Teatro Normal (atualmente Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa). Mais do que construir um teatro, Garrett procurou sobretudo renovar a produção dramática nacional segundo os cânones já vigentes no estrangeiro.

Com a vitória cartista e o regresso de Costa Cabral ao governo, Almeida Garrett afasta-se da vida política até 1852.Contudo, em 1850 subscreveu, com mais de 50 personalidades, um protesto contra a proposta sobre a liberdade de imprensa, mais conhecida por “lei das rolhas”.

A vida de Garrett foi tão apaixonante quanto a sua obra. Revolucionário nos anos 20 e 30, distinguiu-se posteriormente sobretudo como o tipo perfeito do dandy, ou janota, tornando-se árbitro de elegâncias e príncipe dos salões mundanos.Foi um homem de muitos amores, uma espécie de homem fatal. Separado da esposa, passa a viver em mancebia com D. Adelaide Pastor até à morte desta em 1841. A partir de 1846, a sua musa é a viscondessa da Luz, Rosa Montufar Infante, inspiradora dos arroubos românticos das Folhas caídas. Em 1851, Garrett é feito visconde de Almeida Garrett em duas vidas, e em 1852 sobraça, por poucos dias, a pasta dos Negócios Estrangeiros em governo presidido pelo Duque de Saldanha.

Falece em 1854, vítima de cancer ,em Lisboa, na sua casa situada na atual Rua Saraiva de Carvalho, em Campo de Ourique.

OBRAS

1819 Lucrécia

1821 O Retrato de Vénus; Catão (representação); Mérope (representação)

1822 O Toucador

1825 Camões

1826 Dona Branca

1828 Adozinda

1829 Lírica de João Mínimo; Da Educação (ensaio)

1830 Portugal na Balança da Europa (ensaio)

1838 Um Auto de Gil Vicente

1841 O Alfageme de Santarém (1842 segundo algumas fontes)

1843 Romanceiro e Cancioneiro Geral - tomo 1; Frei Luís de Sousa (representação)

1845 O Arco de Sant'Ana - tomo 1; Flores sem fruto

1846 Viagens na minha terra; D. Filipa de Vilhena (inclui Falar Verdade a Mentir e Tio Simplício)

1848 As profecias do Bandarra; Um Noivado no Dafundo; A sobrinha do Marquês

1849 Memória Histórica de J. Xavier Mouzinho da Silveira

1850 O Arco de Sant'Ana - tomo 2;

1851 Romanceiro e Cancioneiro Geral - tomos 2 e 3

1853 Folhas Caídas

1871 Discursos Parlamentares e Memórias Biográficas (antologia póstuma)

Fonte: Comunidade Biografia e Poesia Portuguesa





Na Rua do Dr. Barbosa de Castro, n.° 37, outrora conhecida como Rua do Calvario( 1679 a 1920), situa-se a casa do escritor Almeida Garrett.

Almeida Garrett, mais precisamente João Baptista da Silva de Almeida Garrett nasceu neste edifício a 4 de Fevereiro de 1799. tendo vivido no dito edifício até 1804 data em que se mudou com seus pais para Vila Nova de Gaia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário