14 de mar de 2009

CANÇÃO QUE VEM DE LONGE



CANÇÃO QUE VEM DE LONGE

Abro o álbum de retratos
sem querer todas as vezes
vivo de novo os retalhos
da vida que já vivi:
a criança
o brinquedo
a escola
a rua
a casa
onde nasci...

É o álbum que está velho.
Não fui eu que envelheci.

A cidade minha terra
minha terra infância minha
já alguém cantou por ti?
É o álbum que está velho,
não fui eu que envelheci...
Palmeiras
furando o espaço
muros velhos
guardando vozes
nas velhas casas...
De noite a lua
passeia na rua
rua de prata...
Pela cidade
vão violões
cantagalando
serenatas...

Parece que tudo morreu?
É o álbum que está velho.
Nada disto envelheceu...

A. Estebanez

Nenhum comentário:

Postar um comentário