7 de jul de 2012

FELICIDADE É UM BARQUINHO DE PAPEL



FELICIDADE É UM BARQUINHO DE PAPEL
(Josefa Alteff)

Cadê essa felicidade?
Procuro no presente.
No passado não esteve.
No futuro, talvez...
Já nem sei se ela existirá.

Procuro no olhar,
no abraço,
no laço, no afeto,
no momento do amar.
Também ai,
não consegui encontrar.

Felicidade é sonho,
magia, feitiço, embriaguez.
É ilusão,
é barquinho de papel.
É coisa passageira,
tão ligeira,
que raro acontece,
mas não permanece
nos minúsculos momentos
de uma vida inteira.

CONFÚCIO






“ Para onde quer que fores,
vai todo, leva junto teu coração. "

Confúcio 

RUMI






''Ontem eu era inteligente,
então eu queria mudar o mundo.
Hoje eu sou sábio,
então eu estou mudando a mim mesmo."

Rumi

6 de jul de 2012

A UM LIVRO






No silêncio de cinzas do meu Ser
Agita-se uma sombra de cipreste,
Sombra roubada ao livro que ando a ler,
A esse livro de mágoas que me deste.

Estranho livro aquele que escreveste,
Artista da saudade e do sofrer!
Estranho livro aquele em que puseste
Tudo o que eu sinto, sem poder dizer!

Leio-o, e folheio, assim, toda a minh’alma!
O livro que me deste é meu, e salma
As orações que choro e rio e canto! ...

Poeta igual a mim, ai que me dera
Dizer o que tu dizes! ... Quem soubera
Velar a minha Dor desse teu manto! ...

Florbela Espanca

1 de jul de 2012



VESPERAL
(Onestaldo de Pennafort)

Dentro do véu da tarde silenciosa,
os jardins adormecem a sonhar...
Choram, sonhando, a sorte de uma rosa
que vai morrer nos braços do luar.

Dentro do véu da a tarde silenciosa,
alguém soluça, erguendo os braços no ar,
uma velha balada dolorosa
de um grande amor que ninguém soube amar...

Pela tristeza de um longínquo olhar,
dentro do véu da tarde silenciosa,
beijo uma sombra que me faz chorar.

Canta um repuxo na hora vaporosa...
Quantas flores ainda vão tombar
dentro do véu da tarde silenciosa...