7 de abr de 2012

ARAMES


ARAMES

Minha poesia é cheia de lugares comuns
Com alguns quadros espalhados
Dias quase sempre nublados
Tijolos comuns assentados

Ela navega bem longe da filosofia
Pega algum violão emprestado
Às vezes sorri, às vezes chora
Às vezes tenho vontade de ir embora

De caminhar mundo a fora
Pegar carona numa música
Que me faça bem ao ouvir

Minha poesia é como folha solta no vento
Rasgada pelos arames farpados
Por muros que escondem o outro lado

Arnoldo Pimentel

3 comentários:

  1. Muito obrigado pela postagem, é uma honra pra mim.Feliz páscoa, Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  2. Adorei essa poesia.

    A poesia é muito mais do que meras palavras rabiscadas ou digitadas. E você demonstra isso nesse trabalho. A poesia é feita de sentimentos.

    ResponderExcluir