7 de mar de 2012

MADRUGADA



MADRUGADA

No seu leito de plumas alvejantes
Feito de nuvens brancas de algodão
O sol ainda dorme repousante
Mergulhado na paz da imensidão.

O silêncio é completo. E ofegante
A madrugada se estremece, então;
No sepulcral silêncio extasiante
Nem um gemido ecoa na amplidão.

A estrela Dalva vagarosa, lenta,
Brilha do espaço sideral da altura
Num gesto vislumbrante de magia.

E nesta apoteose se apresenta,
Da passarada, um coro de doçura
Que vem saudar o despertar do dia.

Bernardina Vilar
In ‘Bom dia, Saudade!’ (1995)

2 comentários: