21 de mai de 2011

E a culpa disso?



Nasci em 1950. Claro que esperava o ano 2000 cheio de coisas impensadas, mas nem vi tanta diferença. Na década de 60, na minha cidadezinha de interior, lembro-me que havia uma senhora separado por adultério. Era de família importante, rica, tinha dois filhos. Um dia, tentou entrar no clube da cidade, pela manhã, para os filhos verem a festinha de carnaval, e foi barrada!

Comum também era que, se uma garota perdesse a virgindade o pai arranjava um casamento, com o “autor” ou qualquer outro, pois ela corria o risco de terminar “fichada” como prostituta.

Eram coisas que me surpreendiam já naquela época.

E hoje me choca profundamente ver mulheres sendo apedrejadas, ou enroladas até aos pés em longas roupas, as vezes sem mostrar os olhos sequer.

Não me cabe julgar religião ou aspectos culturais, mas me choca. E não entendo porque elas não lutam!

Aqui no Ceará, nordeste do Brasil, todo dia morrem mulheres assassinadas por quererem a separação. Verdadeiras tragédias.

E ainda existem sociedades que não aceitam mulheres. Em pleno século XXI, literalmente fechadas. E, a exemplo do antigo templo dos judeus, há o lugar dos homens e o lugar separado para as mulheres se reunirem.

Por que elas aceitam isso? Por que ficam por lá, fazendo um papel ridículo, trabalhando por uma causa que nem sabem qual é?

Jesus, quando morreu, o véu do santuário se rasgou, “de cima para baixo”, uma tarefa impossível à homens, e com isso, ele deu acesso ao Santo dos Santos à todas as pessoas, homens e mulheres e não só aos sacerdotes.

Somos todos livres na presença de Deus, então por que aceitar essa separação de homens?

De quem é a culpa de existir ainda isso? Nem preciso responder!

DE QUEM É A CULPA?



Assistindo ao jornal da TV Verdes Mares de 21 de maio de 2011, vi uma NUTRICIONISTA usando amplamente o vício de linguagem que tomou conta do nosso país. O uso indiscriminado do gerúndio. Como se não bastassem as atendentes de telemarketing.

A nutricionista falava o tempo todo mais ou menos assim:
- a cenoura vai “estar levando” isso ou aquilo...
- fruta tal vai “estar dando” forças...

E por ai, a reportagem inteira. Será que virou elegante, isso? Pois vi recentemente uma médica dizer: Olha mamãe, você vai estar dando o remédio três vezes ao dia. E mais um monte de instruções usando a mesma linguagem!

Não sei onde vai parar, ou se vai parar, mas sei que começou com um produto importado lançado no Brasil, traduzido ao pé da letra nas redes de telemarketing.

Pesquisando, achei interessante e bem explicativo no Site: Brasil Escola


Esse vício de linguagem tem suas origens na língua inglesa. Seria uma tradução literal do emprego do verbo “going to”. Ex: “I am going to do something” (Estou indo fazer algo). No entanto, é preciso ressaltar que em alguns casos o uso do gerúndio é correto. A questão é que existe uma falsa impressão de que o gerúndio traz vantagens estilísticas sobre outros processos, o que não é verdade.

O gerúndio é corretamente usado quando transmite a idéia de movimento, progressão, duração, continuidade. Alguns casos em que o gerúndio é empregado corretamente:

- “Em virtude do atraso, estaremos recebendo o pagamento em conta corrente nos dias 08 e 09 de setembro”
- “O que você vai fazer durante o fim de semana? Vai estar viajando?”
- “Ele está fazendo a prova agora.”

***

Quero mesmo é aprender e não "desaprender" rsrsrsr