12 de fev de 2010

Bala de Gengibre

* 500 gr de gengibre fresco
* 2 xícaras de chá de açúcar
* 1/2 xícara de chá de água

Modo de fazer

Descasque o gengibre e corte em fatias finíssimas com uma faca bem afiada ou descascador de legumes. Coloque-as em uma panela e cubra com água. Cozinhe em fogo alto até ferver. Retire do fogo e escorra em uma peneira. Esta água pode ser jogada fora. Em uma panela misture a água e o açúcar e coloque no fogo para dissolver o açúcar. Quando estiver dissolvido abaixe o fogo, cozinhe sem mexer até o ponto de bala mole.

Para saber o ponto de bala mole: pingue um pouquinho da calda em um copo de água fria. Ela deve ficar junta na água e quando você pegá-la com os dedos a gota deve dissolver.

Quando estiver desta forma retirar do fogo, adicionar o gengibre e mexer com uma colher de pau até a mistura branquear e açucarar. Espalhar sobre uma superfície lisa (usei uma assadeira) e a medida que a mistura for esfriando ir mexendo com um garfo para separar os pedacinhos de gengibre. Deixar secar por algumas horas. Depois é só guardar em vidros bem fechados. Rede 1 kg.

É ótimo para garganta pois o gengibre é um antiinflamatório natural.


Fonte:
http://www.flavorcollection.com.br/tag/gengibre/


Seja bem vindo! Volte sempre e,
por favor, deixe um comentário.

11 de fev de 2010

E-Book - Patrícia Neme



Seja bem vindo! Volte sempre e,
por favor, deixe um comentário.

9 de fev de 2010

Texto do perfil de Patrícia Neme



Tão logo o primeiro aborígene entendeu que, ao saber algo mais que qualquer outro de sua tribo, assumia a liderança da mesma, foi desperto o sentimento da disputa e a conseqüente formação de facções, reunidas por conveniências ou conivências, já que somos animais racionais absurdamente avessos ao congregar em nome do todo (me pergunto onde a racionalidade!).
Maquiavel codifica isso numa frase, em seu livro O Príncipe: quem detém o conhecimento, detém o poder (palavras sempre ventiladas por aqueles que pretendem demonstrar erudição; afinal, leram Maquiavel!).
Assim, temos o nascimento de grupamentos, de caráter esotérico ou exotérico, que vão da Máfia à Maçonaria, da Igreja Católica à Evangélica, do PCC ao PT, das Forças Armadas às Milícias. Os há para atendimento de todo e qualquer gosto.
Porém, mesmo militando nessas ou em outras organizações, poucas pessoas sabem a razão de fazê-lo. E apenas servem aos interesses de seus líderes como massa de manipulação, sem que contestem suas ações, ou sequer avaliem se seus atos são concordantes com a moral e a dignidade. Ou seja, com a cidadania!
De uma forma já pouco sutil, a natureza vem nos dizendo que é passado o tempo de despertarmos. Já o houvéssemos feito, muitas tragédias a ela atribuídas, seriam evitadas.
Porém, o recolhimento dos plenos de consciência (ou a covardia, a acomodação?) e a euforia tipicamente brasileira, que muito aprecia ‘por o bloco na rua”, faz com que, por maior seja o drama, mesmo ocorrendo ao nosso lado, seja visto apenas como um acaso, ou fatalidade.
A próxima cidade inundada, por falta de obras públicas, pode ser a sua; o próximo filho baleado, por falta de segurança pública, pode ser o seu; a próxima mãe a morrer por erro médico, pelo despreparo de nossos profissionais, pode ser a sua. Como pode ser sua a casa que o deslizamento de terras vai destruir, por falta de contenção de encostas. E quem pode ser o próximo desempregado, ou aquele que não consegue emprego, por não ter tido oportunidade de pagar boas instituições educacionais? Você.
Eu comecei a escrever...
Você, conclui meu raciocínio com seu voto, nas próximas eleições.
Paz em Deus.


Seja bem vindo! Volte sempre e,
por favor, deixe um comentário.

8 de fev de 2010

E-book




Clique no livro para ler os poemas.



Seja bem vindo! Volte sempre e,
por favor, deixe um comentário.