30 de jun de 2010

Jevan Siqueira, Gosto de Saudade - O livro



O livro dele tem coisas pra rir muito e outras pra chorar. Exemplos:

Certo dia, quando trabalhava na Câmara Municipal do Juazeiro, precisei ir ao banheiro com certa urgência. Quando sai, um colega reclamou que o cheiro estava ruim. Fiz uns versos para o colega, que me pediu que não mostrasse a ninguém. Eu falei que ia mostrar só a duas pessoas: Deus e o mundo!

Eu não parei um segundo,
Daquele dia pra cá
Pensando em uma resposta
Que fosse justificar
É que desde que eu nasci,
Não conheço, nunca vi
Bosta nenhuma cheirar!

Celêta, meu velho amigo,
Desculpe lhe incomodar
Mas não pensei ter vigia
Na hora que fui “cagar”

Tenho certeza e lhe digo
Foi muita coincidência
Pela primeira vez na câmara,
Ter cagado em suas ventas!

Naquela oportunidade
Me lembrei do Iguatu,
Que um menino, coitado
Tinha nascido sem Cu

Eu, porém nasci no Cedro
Normalzinho pra danar
Tanto como, e bebo bem
Só posso mesmo é cagar

Vamos mudar o assunto
Que nem todo mundo gosta
Mas eu tinha que acertar
O nosso assunto da bosta

Não sou muito seu amigo
Trato você com brandura
Só não me aproximo mais
Devido sua cara dura!

Desculpe se não gostou
Dessa minha brincadeira
Mas receba um forte abraço
Do seu amigo, Siqueira!

Jevan Siqueira

Gui é a cadela da nossa nora Lúcia. Teve um filhotinho que morreu no nascimento. A gente chegou lá sem saber do acontecido e ela veio “chorar” aos nossos pés. Rafael falou que ela estava fazendo assim com todos os conhecidos que iam lá. Nós também perdemos nossa primeira “cria” no nascimento, a nossa filha Andréa.

Entendo, minha pequena
Lá bem dentro do meu EU
A aflição que passaste
O quanto você sofreu

Quando lhe vi no portão
Onde veio me encontrar
Meu coração doeu tanto
Que cheguei mesmo a chorar

Seu chorinho inocente
Forçando-me entender
Que perder o seu filhote
Não podia acontecer

Aquele seu sentimento
Trouxe-me grande emoção
Pois passei por isso um dia
Foi pra mim grande agonia
A dor do meu coração

Uma certeza eu tinha
Que sabia me expressar
Dizer falando ao povo
O porquê do meu chorar

Minha Gui, linda pequena
Grande em sua emoção
Senti com você toda dor
Que estava em seu coração

Enquanto eu vida eu tiver
Cabeça, boca e ouvido
Nunca vou me esquecer
De ter encontrado você
Chorando aos prantos comigo
E vai soar para sempre
Mesmo eu velho e doente
Seu doloroso gemido

Vamos minha lindinha
Você é jovem e bonita
E só quem vence na vida
É quem na vida acredita

Você não sabe falar
Mas sabe escutar
O que vou dizer
Não fique a sofrer
Pelos cantos a grunhir
Deus vai me ouvir
E lhe conformar
Um filhote mandar
E você vai sorrir

Vai chegar outro dia
Não vou duvidar
Eu vou lá estar
Pra ver seu filhote
Cheirar no cangote
E vou apertar
Até ele falar!
Ou seja, latir
E você vai sorrir
E eu vou chorar...

Jevan Siqueira

2 comentários: