3 de jun de 2010

ÁRIDO



Qualquer dia
Vou afogar-me nas lágrimas
Das montanhas queimadas
Do meu planeta árido

Sou árido
Como o cometa que cruza meu céu
Sou o véu
Da cachoeira nebulosa

Sou o sangrar
Do lobo selvagem
Nas veredas
Incertas da minha vastidão

ArnoldoGguimarães dos Santos Pim

Um comentário:

  1. Fiquei muito feliz por você ter postado minha poesia amiga,seu blog é um encanto, virei sempre visitar.Beijo no coração.

    ResponderExcluir