9 de jul de 2010

AMOR, MENINO TRAVESSO.



AMOR, MENINO TRAVESSO.

"O amor não quer explicação,
Vem de um jeito que a gente,
Sente no peito, quando
De mansinho, se acomoda no coração.

Adentra nossa alma,
Fazendo dela o seu ninho.
Hoje, me chegou sem dizer nada,
Colado ao meu ouvido, murmurou:
Me aceita, por favor, quero seu carinho.

O amor é assim,
Como um menino.
Faz o que bem quer, no homem, na mulher,
Ele nos vira ao avesso.
Ah! esse amor...
Menino travesso.

Paulo Odair
In 'Canto porque preciso cantar' (2009)

7 de jul de 2010

Seiva

Imagem formatada por Regina Helena

Seiva

Alma, doce toque do meu despertar
sou o vaso que recebe o perene vinho
que aquece e adormece minha ira.

Renasço nas límpidas águas
da vida procurando teus seios.

Atravessando eras na plena arte de estar.
Jovem.

êxtase feição de infinitos
horizontes exuberantes
dos instintos.

Serena sempre a dizer
verdades do sonhar,
doce alma festiva
do mais belo roseiral
silvestre.

Sabedoria de cortejar o espírito
boêmio impressionista,
fértil e veril.

Meus sentidos a te abraçar
intensamente, grande necessidade
de contemplar tua luz cristalina
a me purificar.



Nelson Aharon

5 de jul de 2010

Quando chegares...




Quando chegares...


Quando chegares,
venhas sobre uma folha em branco
e faça teu silêncio chover
sobre minha alma acesa

Amanhecerei em poemas,
nas palavras mudas
ou nos reflexo onde ocultas
tua face nua

Pousarás com teus lábios
na fonte que banha meus sonhos
e o tempo rasgará sombras
das viagens sem regresso.


Conceição Bentes
Publicado no Recanto das Letras em 04/07/10
Código do Texto: T2357069

30 de jun de 2010

Jevan Siqueira, Gosto de Saudade - O livro



O livro dele tem coisas pra rir muito e outras pra chorar. Exemplos:

Certo dia, quando trabalhava na Câmara Municipal do Juazeiro, precisei ir ao banheiro com certa urgência. Quando sai, um colega reclamou que o cheiro estava ruim. Fiz uns versos para o colega, que me pediu que não mostrasse a ninguém. Eu falei que ia mostrar só a duas pessoas: Deus e o mundo!

Eu não parei um segundo,
Daquele dia pra cá
Pensando em uma resposta
Que fosse justificar
É que desde que eu nasci,
Não conheço, nunca vi
Bosta nenhuma cheirar!

Celêta, meu velho amigo,
Desculpe lhe incomodar
Mas não pensei ter vigia
Na hora que fui “cagar”

Tenho certeza e lhe digo
Foi muita coincidência
Pela primeira vez na câmara,
Ter cagado em suas ventas!

Naquela oportunidade
Me lembrei do Iguatu,
Que um menino, coitado
Tinha nascido sem Cu

Eu, porém nasci no Cedro
Normalzinho pra danar
Tanto como, e bebo bem
Só posso mesmo é cagar

Vamos mudar o assunto
Que nem todo mundo gosta
Mas eu tinha que acertar
O nosso assunto da bosta

Não sou muito seu amigo
Trato você com brandura
Só não me aproximo mais
Devido sua cara dura!

Desculpe se não gostou
Dessa minha brincadeira
Mas receba um forte abraço
Do seu amigo, Siqueira!

Jevan Siqueira

Gui é a cadela da nossa nora Lúcia. Teve um filhotinho que morreu no nascimento. A gente chegou lá sem saber do acontecido e ela veio “chorar” aos nossos pés. Rafael falou que ela estava fazendo assim com todos os conhecidos que iam lá. Nós também perdemos nossa primeira “cria” no nascimento, a nossa filha Andréa.

Entendo, minha pequena
Lá bem dentro do meu EU
A aflição que passaste
O quanto você sofreu

Quando lhe vi no portão
Onde veio me encontrar
Meu coração doeu tanto
Que cheguei mesmo a chorar

Seu chorinho inocente
Forçando-me entender
Que perder o seu filhote
Não podia acontecer

Aquele seu sentimento
Trouxe-me grande emoção
Pois passei por isso um dia
Foi pra mim grande agonia
A dor do meu coração

Uma certeza eu tinha
Que sabia me expressar
Dizer falando ao povo
O porquê do meu chorar

Minha Gui, linda pequena
Grande em sua emoção
Senti com você toda dor
Que estava em seu coração

Enquanto eu vida eu tiver
Cabeça, boca e ouvido
Nunca vou me esquecer
De ter encontrado você
Chorando aos prantos comigo
E vai soar para sempre
Mesmo eu velho e doente
Seu doloroso gemido

Vamos minha lindinha
Você é jovem e bonita
E só quem vence na vida
É quem na vida acredita

Você não sabe falar
Mas sabe escutar
O que vou dizer
Não fique a sofrer
Pelos cantos a grunhir
Deus vai me ouvir
E lhe conformar
Um filhote mandar
E você vai sorrir

Vai chegar outro dia
Não vou duvidar
Eu vou lá estar
Pra ver seu filhote
Cheirar no cangote
E vou apertar
Até ele falar!
Ou seja, latir
E você vai sorrir
E eu vou chorar...

Jevan Siqueira

19 de jun de 2010

PRISÃO



PRISÃO
Théo Drummond

Ouço o cão a gemer, no meu vizinho.
É um gemido tão forte e dolorido
que deixa perceber que está sozinho,
e a sua companhia é o seu gemido.

O dia inteiro o caso repetido
me faz pensar que a falta de um carinho
que é num gemer assim reproduzido,
entra na carne e fere como espinho.

Sofro com ele, e penso que este cão
deveria estar livre, num jardim,
e não viver, jamais, nesta prisão.

E o dia corre e o uivo chega a mim,
e fica preso no meu coração
como se eu fosse o cão que uivasse assim.

17 de jun de 2010

JARDIM SEM ANJOS


JARDIM SEM ANJOS

Essas flores não têm mais perfume
Esqueça as trovas que ouviu nas noites
Enluaradas em que sonhava com um amor
Que poderia haver entre as janelas do quarto

Olhe bem as camadas que escondem as palavras
Que foram jogadas ao vento na intenção de iludir
As mariposas que vagavam perto das luzes de névoa
Sem pergaminhos para escrever o que ouvia no coração

Sinta o gosto da ferida que foi deixada
No corte que não sangrou porque a pele de cimento
Ainda existe na solidão pintada no vidro
Com as mãos que foram tocadas pela ponte sobre o rio seco

O jardim florido está perdendo as asas de anjo
E as rosas vermelhas estão deixando de ser ouvidas
Porque o vento está soprando na direção do leste
E tentando mostrar ao seu coração que jamais existiram flores no quadro

Talvez o mundo do coração não seja ilusório
E as gotas de suor que escorreram pela sombra
Ainda seja a melhor tatuagem para carimbar a estrela cadente
Que partirá do mundo de sombras que iludiu a madrugada com desamor

Eu sei que ainda vou sorrir durante a chuva que cairá na estrada
Mas o sorriso amargo na minha face é a prova que sairei inteiro
Depois do vendaval que fará sucumbir o jardim sem anjos
Onde só ficará quem realmente se deixar enganar depois do amanhecer

Arnoldo Guimarães dos Santos Pim

6 de jun de 2010



"ABDICAÇÃO"

Toma-me, ó noite eterna, nos teus braços
E chama-me teu filho... eu sou um rei
que voluntariamente abandonei
O meu trono de sonhos e cansaços.

Minha espada, pesada a braços lassos,
Em mão viris e calmas entreguei;
E meu cetro e coroa - eu os deixei
Na antecâmara, feitos em pedaços

Minha cota de malha, tão inútil,
Minhas esporas de um tinir tão fútil,
Deixei-as pela fria escadaria.

Despi a realeza, corpo e alma,
E regressei à noite antiga e calma
Como a paisagem ao morrer do dia.


Fernando Pessoa, 1913

3 de jun de 2010

ÁRIDO



Qualquer dia
Vou afogar-me nas lágrimas
Das montanhas queimadas
Do meu planeta árido

Sou árido
Como o cometa que cruza meu céu
Sou o véu
Da cachoeira nebulosa

Sou o sangrar
Do lobo selvagem
Nas veredas
Incertas da minha vastidão

ArnoldoGguimarães dos Santos Pim

2 de jun de 2010

Poemini

winrar

Em qualquer navegador, o livre abre usando o Winrar.

É só clicar sobre a imagem e vai abrir a janelinha:



- Escolha a opção 'Abrir', então vai aparecer essa imagem:



Dê um clique duplo sobre a pastinha e pronto. É só esperar um pouco.

- Se escolher fazer download, procure o arquivo na pasta de downloads, em meus documentos e siga os mesmos passos anteriores.

27 de mai de 2010

16 de mai de 2010

/Edga Allan Poe



Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:


6 de mai de 2010

4 de mai de 2010

Madalena

Para visualizar, clique na imagem. Para
Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:

Fernando Pessoa



Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:

2 de mai de 2010

Octavio Paz



Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:

1 de mai de 2010

E-book, Ferreira Gullar



Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:

30 de abr de 2010

Anrique Paço D'arcos


Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:

Vicente Ferreira da Silva







Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:

Sophia de Mello Breyner




Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:

DA COSTA E SILVA



Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:

Garcia Lorca




Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:







Anrique Paço d' Arcos






Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:


29 de abr de 2010

Ademar Tavares






Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:



Conceição Bentes


Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo:

28 de abr de 2010

VEJAM ABAIXO O ABSURDO QUE ACONTECE NA MARGEM ESQUERDA DO RIO SOLIMÕES!!!!!!

Recebi um e-mail da Patrícia Neme:



Eles rooubam os ovos para vender e não deixam nem as tartarugas sairem. Um absurdo!

INACREDITÁVEL! Onde estão as autoridades, os ambientalistas, que não tomam conhecimento de tamanha crueldade?


Vejam só!

OBSERVAÇÃO: REPASSEI PORQUE SEJA AQUI O NO OUTRO LADO DO PLANETA, É UM ABSURDO. FICA O ALERTA.

Feliz Aniversário!


Agradeço a amiga Regina Helena a lembrança pela passagem do dia de meu nascimento.
Fiquei surpresa e muito sensibilizada pelo lindo trabalho que ela me dedicou.
Não tenho palavras para agradecer, somente pedir a Deus que esteja sempre com ela, e compartilhar com os amigos as coisas mais belas de minha vida, que tão bem colocou nesse carinhoso livro.
Muito obrigada, obrigada cunhada de coração!
Maria Madalena
28/04/2010

25 de abr de 2010

Frederico Garcia Lorca



Para visualizar, clique na imagem. Para baixar, na seta abaixo: