6 de nov de 2009

RETRATO PARA SER VISTO DE LONGE



Sou um ser, o outro é metade
que não sabe de onde veio.
Sou treva, sou claridade.
Solidão partida ao meio
e entre os dois a eternidade.

Sei quem sou, não me conheço.
Parado, estou sempre indo
para um país sem regresso.
Sou fonte e estou me esvaindo,
fluir sem fim nem começo.

Coração partido ao meio,
pulsando em cada metade.
O lirismo do espantalho
a espuma do devaneio.
Entre os dois a eternidade.

Francisco Carvalho
in Pastoral dos Dias Maduros (1977)



Seja bem vindo! Volte sempre
e por favor, deixe um comentário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário