1 de nov de 2009

OS PASSOS



Teus passos, filhos do meu silêncio
Religiosamente, lentamente dispostos
Cerca do leito da minha vigilância
Procedem mudos e gelados.

Pessoa pura, sombra divina
Como eles são doces, os teus passos confinados!
Deuses !.....todos os dons que adivinho
Vêm a mim nestes pés nus!

Se, de teus lábios liberais
Tu te preparas para o apaziguar
Ao ocupante dos meus pensamentos
O alimento de um beijo,

Não precipites este ato terno,
Doçura de ser e de não ser,
Porque tenho vivido para te esperar
E meu coração não era senão os teus passos


Paul Válery
Trad.:Sonia Lanzillotte

Nenhum comentário:

Postar um comentário