19 de set de 2009

Aba da Serra II


Aba da Serra II

Nesse cantinho abandonado já teve vida,
e vida abundante!
O gado pastava nos capinzais
e o algodão brilhava sob o sol inclemente.
Era uma linda vista para a nossa calçada.
Posso ainda ouvir o silvar do vento,
sentir o cheiro do mato... e até ver,
com olhos do passado, a nossa vida.
A gente fantasiava em cima da realidade
e era como se fosse um céu na Terra.
Nosso pé de cajarana “morria”,
mas nascia de novo na floração.
E para nosso encanto,
vestido de verde com florzinhas claras.
Um primor! Um esplendor de Deus.
Ali fomos muito felizes.
Alguns já não existem...
Nem o pé de cajarana, nem o plantio do algodão,
nem o gado pastando... e nem a alegria.
Só a Saudade!

Regina Helena

2 comentários:

  1. Eta Aba da Serra! O pé de cajarana...
    Hoje só saudades.
    A vida é assim: marca se vai no seu galope,
    modificando tudo.
    E como era bom aquele tempo.
    Meu Deus como era bom!
    Talvez o tempero gostoso
    fosse a simplicidade,
    a amizade,
    a ternura em flocos de algodão,
    que se depersou vida afora,
    restando a solidão de nós mesmos.

    Beijo, querida prima/poeta!!

    ResponderExcluir
  2. Grande poeta. Até comentando faz um lindo poema. bjo

    ResponderExcluir